31 de jul de 2010

Os segredos da pastasciutta

.




Quando cheguei na Itália encontrei muita dificuldade com a culinária italiana! É tudo muito diferente do que encontramos no Brasil. Ainda é possível encontrar em alguns lugares no interior da Itália pessoas que fazem a conhecida pasta fresca, ou seja, preparada em casa. É realmente algo especial!!
Quando a avó paterna do meu marido era ainda viva, fazia deliciosos ravioli ripieni con menta e ricotta. Uma delícia! E como nós moramos no interior, aqui muitas pessoas continuam fazendo a pasta em casa e algumas vezes, somos convidados ou recebemos de presente!! Que maravilha!

Existem muitos tipos de pasta e a cada uma delas o seu sugo ou molho. A primeira coisa e mais importante é a consistência da pasta, definitivamente al dente. No Brasil é difícil que o macarrão seja al dente, geralmente é cozido demais. Saber cozinhar bem a pasta é a base para preparar excelentes pratos! O ponto justo da pasta é quando ela está macia porém delicadamente dura dentro.



Eis algumas dicas que não podem ser esquecidas:

Para um resultado melhor, as pastas mais finas como spaghetti por exemplo, devem ser retiradas da água uns 2 ou 3 minutos antes do tempo marcado na confecção e terminar de cozinhar na panela junto ao molho. Deste modo ela pega mais sabor. Mas atenção para ela não cozinhar demais! Para os italianos, até o melhor molho perde o encanto se o macarrão estiver cozido demais!


O momento ideal para salgar a água é quando ela vai em ebolição. Se salgar a água antes ela demora mais para ferver.



Não se deve preparar o macarrão antes que o sugo fique pronto. Enquanto se prepara o molho deixe a água ferver e qdo é pronto, coloque o macarrão para cozinhas de modo que quando for escorrer misturar imediatamente ao molho e servir logo em seguida. Se a pasta ficar "esperando" para ser servida ou requentada, perde elasticidade e sabor.



O spaghetti não precisa ser quebrado para cozinhar. Basta colocá-lo na água fervendo e esperar que ele comece a dobrar, então ajude-o com o garfo para ficar todo dentro d'água.



Não é necessário colocar azeite na água! Depois de colocar o macarrão para cozinhar, basta misturar de vez em quando para não agarrar ou grudar.





Para cada pasta o seu molho:


As pastas largas , por exemplo rigatoni, tortiglioni e paccheri, são boas para molhos com verduras ou picantes. Também se adapatam bem se gratinadas. São ideais para molhos como de linguiça e de cacciagione (isto é feito com os animais caçados: coelho, javali, faisão, codorna, etc).

As pastas ruvidas, como penne rigate, fettuccine e tagliatelle, são ideias para a carne pois ajudam o molho a incorporar melhor.



As comprimdas como spaghetti, tagliatelle, pappardelle, linguine são práticas pois cozinham rapidamente e ideais para varios tipos de sugo: carne (bolonhesa ou ragù), peixe, pomodoro, molho branco, pesto.



A farfalle, no Brasil chamadas de gravata, são boas para molhos cremosos à base de creme de leite ou quatro queijos.


Um abraço e buon appetito!

:)



.


Peixe ao molho de camarão

.




Em dezembro de 2009 meu marido e eu estivemos em Paraty e em Trindade. Além de descansar, aproveitar a linda paisagem e o mar... tivemos a oportunidade de saborear um delicioso peixe ao molho de camarão!

Todos sabem que peixe faz bem à saúde, tem poucas calorias e é de fácil digestão. Mas é preciso ter atenção para comprar um peixe fresco! Eis algumas dicas:

Olho no olho: isso mesmo, vejam se os olhos do peixe são bem abertos e brilhantes.
O cheiro deve ser agradável e firme.
Não solte a calda!! Exato, a calda do camarão deve estar firme; se soltar não compre!!

Agora vamos à receita do nosso Peixe ao molho de camarão!!

2 porções

400gr de filé de peixe
200gr de camarão médio
1 pimentão verde picado
2 cebolas grandes picadas
2 tomates picados
2 tomates batidos no liquidificador
150 ml de leite de coco
farinha de trigo
farinha de rosca
cheiro verde
suco de 1 limão
1 limão para limpar o peixe
3 colheres de azeite extra virgem
óleo para fritar
1 dente de alho picadinho
sal a gosto

Mãos à obra:


Limpe o peixe com o limão e tempere com sal, deixando de molho no suco de limão por pelo menos meia hora. Seque um pouco o peixe em um papel antes de continuar o próximo passo. Em um refratário coloque a farinha de trigo com a farinha de rosca e passe o filé de peixe um a um nesta mistura. Em uma panela coloque bastante óleo, frite o filé e escorra no papel absorvente. Reserve.

Em outra panela coloque o azeite e doure as cebolas e o alho, acrescente o tomate e o pimentão picados e refogue tudo. Cozinhar até que fiquem macios e comecem a ter consistência de um molho. Acrescente o tomate batido no liquidificador, o leite de coco e coloque sal a gosto (lembre-se que o peixe já está temperado com sal e limão!). Deixe cozinhar alguns minutos para secar um pouco a água do tomate. Coloque o camarão e deixe cozinhar no molho em fogo médio/baixo por uns 10 minutos e então acrescente o cheiro verde. Desligue o fogo.

Distribua o peixe em um refratário e jogue o molho por cima. Distribuir um pouco de cheiro verde por cima. Servir com arroz branco e pirão (ou para quem preferir, batata frita).





Buon appetito!


.

30 de jul de 2010

As cores e os sabores

.

Vinha planejando há tempos um blog sobre receitas e dicas culinárias. Sempre gostei de estar na cozinha, inventar pratos e preparar algo para os amigos. Este prazer se intensificou quando há sete anos casei com um italiano DOC e vim morar na Toscana.

Aqui a comida é algo bem maior do que o simples gesto de comer algo, se alimentar, nutrir-se. O italiano há uma relação particular com a comida, para eles comer é um estilo de vida, é uma identidade, um sentimento. Afinal, não é à toa que a Itália é conhecida como o país da "pasta" , do macarrão e da pizza.

A comida pode contar a história e as tradições de um povo. E foi atravéz da comida que eu pude ter uma melhor adaptação quando vim morar aqui. No inicio tive algumas dificuldades, a culinária italiana é diferente da nossa... o significado da comida na vida deles é muito forte, principalmente na familia do meu marido. Uma familia tradicional, à antiga... ainda mais morando em uma cidadezinha do interior... perto da roça, onde quase tudo que comemos vem do horto no fundo do quintal ou de algum pequeno produtor.

Cozinhar é para quem gosta! Estar na cozinha requer paixão e dedicação. Cozinhar é mais que uma arte... é tornar-se transparente, é mostrar para o outro o seu caráter e a sua identidade. Cozinhar é uma troca.

A minha cozinha é multi-étnica. A minha cozinha tem várias cores, muitos sabores. Adoro ver minha casa cheia de gente, adoro cozinhar para meus amigos, adoro inventar receitas... E aqui, pretendendo dividir alguma coisa com vocês!

Como diz um ditado italiano: L'appetito vien mangiando. Ou seja, o apetite vem comendo.

Um abraço a todos, buon appetito
Annita